Make your own free website on Tripod.com

ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS

•  O que são animais peçonhentos?

Animais peçonhentos são aqueles que produzem substância tóxica e apresentam um aparelho especializado para inoculação desta substância que é o veneno, possuem glândulas que se comunicam com dentes ocos, ou ferrões, ou aguilhões, por onde o veneno passa ativamente.

Ex: serpentes, aranhas, escorpiões  arraias.

Ofídios ( Serpentes)

Principais características de uma serpente peçonhenta:

-presença de fosseta loreal

 

-presença de guizo ou chocalho

 

-presença de anéis coloridos (vermelho, amarelo, preto, branco ou amarelo)

 

O que é fosseta loreal: órgão termossensorial situado entre os olhos e a narina, permitindo a serpente detectar  variações mínimas de temperatura ambiente.

Os grupos mais importante (Serpentes):

Bothrops--->Jararaca, urutu, cruzeira, cotiara, jararacuçu etc. Possuem fosseta loreal ou lacrimal.

Agressiva, são responsáveis por 70% dos acidentes ofídicos. Seu veneno tem ação proteolítica, coagulante e hemorragica.

Podem haver manifestações locais ( edema, eritema, dor...) de instalação precoce é de caráter evolutivo, com aparecimento de equimose, bolhas sangramento local e necrose. Causam náuseas, vômitos, sudorese, hipotermia, hipotensão arterial, choque, hemorragia a distancia (epistaxes, sangramento gengival, digestivo, hematúria) e insuficiência renal aguda.

Medidas:

O único tratamento específico é a administração do soro antibotrópico.

Esses animais vivem em locais úmido e atinge de 40cm a 2m

Bothrops alternatus - Urutu

 

 

Bothrops itapetiningae - Jararaquinha

 

 

Bothrops moojeni - Jararaca do Brejo

 

 

Bothrops pauloensis - Jararaca pintada

 

 

 

Crotalus---> Grupo das cascavéis. Sua característica mais importante é a presença de guizo ou chocalho na ponta da cauda. Possuem fosseta loreal. Atinge a idade adulta em 1,6 metros. Habitam lugares secos, regiões pedregosas e pastos, não sendo encontrada em regiões litorâneas.

Seu veneno possui ação neurotóxica, miotóxica (lesão da musculatura esquelética) e coagulante:

Manifestações: Edema e parestesia(formigamento) discreta e pouca dor.

Manifestação sistêmica: cefaléia, náuse, prostração(falta de força e ânimo), diplopia(visão dupla), visão turva, midríase, ptose palpebral (queda da pálpebra), dificuldade para deglutir, mialgias (dores musculares) e urina escura.

Tratamento: O mesmo da Bothrops mais SAC (soro antibotópico-crotálico)

Exemplos:

 

 

 

 

 

Crotalus durissus- cascavel

 

 

 

Micrurus----> Grupo das corais verdadeiras. São serpentes peçonhentas que não possuem fosseta loreal (exceção) nem aparelho inoculador de veneno tão eficiente quanto o de jararacas e cascavéis. O veneno é inoculado através de pequenos dentes fixos.

Padrão de cor: vermelho (ou alaranjado) branco (ou amarelo) e preto.

Habitam buracos. Seu veneno causa parada respiratória. Possuindo alta toxicidade neurotóxica e miotóxica.

Tratamento: o mesmo dos já citados e soro antielapídeo endovenosa.

Exemplos:

 

 

 

 

 

Micrurus - coral verdadeira

 

 

 

ARANHAS

 

Aranha Marrom (Loxosceles)

 

Aranha Marrom Amazônica.

 

Pequena (4 cm), pouco agressiva, hábitos noturnos, encontrada em pilhas de tijolos, telhas e no interior de residências, atrás de móveis e etc.

A picada geralmente ocorre quando a aranha é comprimida contra o corpo. Não produz dor imediata. A evolução é mais freqüente para forma "cutânea", passando a eritrema ( vermelhidão), edema duro e dor local (6 a 12hs).

Entre as 24 e 36 horas aparecem febre, cefaléia, náuseas, vômito e urina escura, anúria(falta de secreção urinária) e insuficiência renal.

Tratamento: anti-sepsia, curativo local, compressas frias e soroterapia.

   Ferimento causado por uma Aranha Marrom

 

 

Aranha Armadeira (Phoneutria)

 

 

 

Aranha Armadeira

 

 

 

Muito agressiva, encontrada em bananeiras, folhagens, entre madeiras e pedras empilhadas e atingem 12cm.

Sua picada causam dor local e intensa, podendo irradiar para a raiz do membro. Ocorrem eritema, parestesia e sudorese no local da picada.

Tratamento suportivo e sintomático; nos casos mais grave, está indicado a soroterapia.

 

Tarântula (Scaptocosa lycosa)

Podem também ter o nome de: aranha-de-grama, aranha-de-jardim, aranha-lobo

 

 

 

 

 

Causa acidentes leves sem necessidade de tratamento específico.

sintomas: Geralmente sem sintomas, pode haver pequena dor local com possibilidade de evoluir para necrose.

Tratamento: analgésico

 

Caranguejeiras (Mygalomorphae)

Aranha grande, peluda, agressiva e de hábito noturnos; encontrada em quintais, terrenos baldios e residências

Quando ameaçada e manipulada, esfrega suas patas posteriores no abdome e lança pêlos com farpas em grande quantidade ao seu redor, provocando irritação na pele e alergia.

Possuem ferrões grande causando grande dor.

Tratamento: anti-histamínicos via oral

 

Escorpiões

 

Existe a comprovação da existência dos escorpiões há mais de 400 milhões de anos. Foram os primeiros artrópodes a conquistar o ambiente terrestre não passando por modificações morfológicas importantes. No corpo dividido em duas partes (cefalotórax e abdômen), estão localizados os 4 pares de pernas. O órgão inoculador de veneno denominado “telson” localiza-se num segmento após o abdômen.

 

Tityus stigmurus

 

 

Existem diversas espécies, mas somente o gênero Tityus tem interesse médico. Duas espécie merece maior atenção: T. serrulatus (amarelo) e T. bahiensis (marrom). O Escorpião amarelo (T. serrulatus) é o mais grave.

A Vítima apresenta dor local de intensidade variada.

Manifestação sistemica: sudorese, lacrimejamento, tremores, esparmos muscular, priapismo, pulso lento e hipotensão.

 

 

 

Tityus Bahiensis

 

 

 

 

Tityus serrulatus

 

 

Lagartas (lonomia)

As lagartas, também chamadas de taturanas, são larvas de mariposas, medem cerca de 7cm e possuem corpo revestido de espinhos urticantes que contém poderosa toxina. Sua cor é marrom-esverdeada ou marrom amarelada, com listras.

Também conhecidas como lagartas de fogo  e oruga, vive durante o dia agrupada nos troncos de árvores.

A vítima pode apresentar  dor local em queimação, seguida de vermelhidão e edema.

Sintomas: cefaléia, náuseas, e vômitos, artralgias. Após 72 horas podem aparecer hemorragias, como manchas pelo corpo, sangramento gengivais, pelo nariz e por ferimentos recentes

Tratamento: suportivo e sintomático.

 

fontes de consultas: Trauma (ed. atheneu), Site Butantan

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------