3.2. Identificação da Parada Respiratória

Como já foi descrito na análise primária, o socorrista deve:

3.3. Respiração Boca-a-Boca

Essa técnica é, atualmente, o mais eficiente método de prover respiração artificial e pode ser realizada por qualquer pessoa, sem qualquer equipamento especial.

Para prover a respiração artificial o socorrista deve:

 

Boca-nariz

Lesões na boca ou na mandíbula podem inviabilizar a respiração artificial pelo método boca a boca. Neste caso, o socorrista deve optar pela manobra conhecida como boca-nariz, que consiste em:

nariz.jpg

 

Boca-máscara

Máscaras faciais são excelentes equipamentos para auxiliar o socorrista durante uma respiração artificial. Elas permitem reduzir os esforços para manutenção das vias aéreas abertas e, principalmente, reduzem os problemas de higiene e contágio de doenças transmissíveis, sempre possível quando do contato direto pelo método boca-boca.

A máscara facial pode ser utilizada com ou sem emprego da cânula de Guedel.

Para prover boca-máscara em uma vítima, o socorrista deve:

mascara.jpg

3.4. Obstrução Respiratória

Ao iniciar a manobra de respiração artificial, o socorrista pode se deparar com uma resistência ao tentar ventilar. Isso significa que, por qualquer problema, o ar insuflado não está conseguindo chegar aos pulmões da vítima. Não adianta prosseguir na análise primária, sem antes corrigir e eliminar a obstrução.

Causas de obstrução respiratória

Há muitos fatores que podem causar obstrução das vias aéreas, total ou parcialmente. Em nível de suporte básico da vida pode-se atuar e corrigir as mais comuns, que são:

Sinais de obstrução respiratória parcial

Uma vítima está tendo obstrução parcial das vias aéreas quando:

Nestes casos, a vítima estará consciente e o socorrista apenas irá encorajá-la a tossir, aguardando que o corpo estranho que vem causando a obstrução seja expelido.

Obstrução respiratória completa

Obstrução causada pela língua

Em situações em que a vítima se encontre inconsciente, com a cabeça flexionada para a frente ou com algum objeto, como travesseiro por exemplo, sob a nuca, é possível que esteja sendo sufocada pela sua própria língua, que, caindo para trás, vai obstruir a passagem do ar pela garganta.

Em casos como esse, a simples retirada do objeto sob a nuca e a manobra já descrita de abrir as vias aéreas são suficientes para restabelecer o fluxo normal da respiração.

Obstrução causada por corpo estranho em vítima inconsciente

Quando constatada a parada respiratória em uma vítima e o socorrista, ao iniciar as manobras de ventilação, sentir resistência à livre circulação do ar, deve repetir a operação de abrir vias aéreas. Se mesmo após essa segunda tentativa de abrir vias aéreas o socorrista não obtiver sucesso, significa que a vítima está com uma obstrução respiratória completa, causada por corpo estranho, como por exemplo: pedaço de alimento, moeda, goma de mascar, prótese dentária, bala e sangue. Nestes casos, não adianta prosseguir com a análise primária. O socorrista tem que desobstruir as vias aéreas e restabelecer a respiração da vítima.

O procedimento adotado pelo APH, em situações como esta, é a manobra de heimlich para vítimas inconscientes.

Para realizá-la o socorrista deverá:heminc.jpg

Obstrução causada por corpo estranho em vítima consciente

Em vítimas conscientes, o alimento é a principal causa de obstrução das vias aéreas. Quando esse acidente ocorre, a vítima fica muito nervosa e agitada pela impossibilidade de respirar e caracteristicamente vai segurar o pescoço e abrir amplamente a boca. Tentará falar e não conseguirá. hem.jpg

Para constatar essa obstrução o socorrista deve questionar a vítima: "Você pode respirar?"; "Você pode falar?"; "Você está engasgado?".

Se a vítima confirmar através de movimento afirmativo (como por exemplo, balançando a cabeça), à última pergunta, o socorrista deve imediatamente iniciar a manobra de heimlich para vítimas conscientes.

Para realizá-la, o socorrista deverá:

Manobra de Heimlich em bebês

O método de desobstrução respiratória por corpo estranho em adultos e crianças não é o mesmo para bebês.hembb.jpg

Para realizar a manobra de Heimlich em bebês, o socorrista deverá, após falhar a segunda tentativa de ventilação:

 

 

  • Proceder a duas ventilações. Em caso de insucesso, repetir toda a seqüência.

OBS. Não explorar cegamente as vias aéreas de bebês e crianças, pois existe o risco de empurrar o corpo estranho mais profundamente. Deve-se olhar atentamente o interior da boca da vítima, antes de tentar segurar e retirar o objeto que está causando a asfixia.

Make your own free website on Tripod.com