Make your own free website on Tripod.com

Suporte Básico de Vida no Adulto

Curso Intensivo de SBV-PAPH

 

Fonte: Guidelines2005- Academia Americana do Coração  e Internet

Introdução:

SBV é uma seqüência de ações, que realizadas durante os primeiros minutos de uma emergência, são cruciais para a sobrevivência.

 

Seqüência de ações do SBV:

 

 Reconhecer rápido IAM e AVC,evitar PCR.

 Perda de consciência: agir rápido.

 PR:respiração de resgate.

 Desfibrilar FV ou TV.

 OVACE reconhecer e tratar.

 

Indicações de SBV:

 

 Parada Respiratória: Ocorre quando a respiração está totalmente

ausente ou é claramente inadequada para manter a oxigenação e ventilação efetivas. PR sem PC:submersão, AVC, OVACE,

inalação de fumaça, epiglotite, overdose, acidente com raios, asfixia,IAM,

eletrocussão, trauma e coma.

 

Indicações de SBV:

 

 Parada Cardíaca: Circulação cessa e falta O2 em órgãos vitais

Sem sinais de circulação ou pulso Respirações agônicas Ritmos encontrados: FV, TV, assistolia ou atividade elétrica sem pulso Resposta de SBV Resposta de SBV a emergências a emergências cardiopulmonares cardiopulmonares

Responda rápido: Você, acadêmico de Medicina treinado em SBV, craque em RCP, está caminhando sozinho por uma rua deserta de Sobral quando se depara com um indivíduo de aproximadamente 40 anos apresentando perda súbita de consciência.

 

 FV no ECG inicial de adultos com PC

súbita

 

 Janela de oportunidade para desfibrilação bem sucedida é pequena

 Sobrevivência diminui de 7- 10%/min.Eficiente até 10min.

 Sobrevivência é de 2-5% após 12min de perda da consciência

Telefonar Primeiro ou Telefonar Rápido? Estudos epidemiológicos preconizam: “Ligar primeiro”= no caso de vítima ser adulto (e criança > 8a)

“Ligar rápido”( ligar após a realização de 1 min de manobra de reanimação)= no caso de vítima ser bebê ou criança. Exceções à Regra

 Afogamento

 Parada Cardíaca associada a trauma

 Overdose de Fármacos/Droga

 Crianças de alto risco de parada cardíaca

 

Conclusão:

 

 Em adultos que apresentam perda súbita de consciência, deve-se instruir os

circunstantes treinados ou não para que se ligue primeiro para o número local de emergência! 193 ou 192

 

Informações necessárias:

 

 Localizar emergência

 Número de um telefone local

 O que aconteceu?

 Quantidade de vítimas

 Estado das vítimas

 Tipo de socorro prestado Desligar apenas após ordem do operador

Corrente da Sobrevivência: É um processo de quatro etapas para

proporcionar tratamento adequado para vítimas de parada cardíaca:

 Acesso precoce

 RCR precoce

 Desfibrilação precoce

 Cuidados avançados precoce Acesso Precoce: Reconheça uma emergência:  Reconhecer sinais de PC,choque ou ataquecardíaco Sinais mais comuns

de emergência cardiovascular

*Dor no peito

*Náusea,vômito,diaforese

*Pele fria, pálida, úmida

*Dificuldade respiratória

 

Acesso precoce:

 Responsividade da vítima:

Estímulo verbal:Você está bem?

Sem resposta Resposta

Estímulo doloroso

Vítima inconsciente

Reanimação Precoce:

 

Inicie rapidamente as manobras da RCP:

 

 Desobstrução e manutenção da vias aéreas

 Fornecimento de respiração artificial

 Fornecimento de circulação sanguínea artificial Passos principais:regra do ABC

 

Iniciando o ABC:

 

Segurança e condições física do local

 

Posição correta da vítima:

 

 Decúbito dorsal

 Superfície firme, plana e segura

 Cabeça, pescoço e tronco alinhados Transporte em monobloco

 

Iniciando o ABC:

Posição correta do socorrista:

 

 Ao lado da vítima

 Preparado para realizar as manobras de RCP

 Uso do DEA

A: vias aéreas

 Manter vias aérea abertas.

 Tônus muscular insuficiente.

 Língua-causa mais freqente de OVACE na vítima inconsciente.

 Visualisar vias aéreas.  Remover corpos estranhos – luva ou pano.

 

Manobras para abrir vias aéreas:

 Sem evidência de trauma craniano ou cervical: manobra de inclinação da

cabeça/elevação do queixo

 Se há ou pode haver trauma craniano ou cervical: manobra de tração da mandíbula

 

B: Breath

 

B: respiração

 

Avaliar a respiração: ouvido perto da boca e nariz da vítima e :

Exame em 10 segundos

 

 VER:movimentação torácica

 OUVIR:ar expelido na expiração

 SENTIR:ar contra seu rosto

 

Manifestações clínicas:

 

 Sem sinal de respiração

 Sinais de obstrução das vias aéreas

 Respiração Atáxica (ou de Biot)- 2 fases:anárquica, superficial e apnéia.Ex:PR

 Respirações Agonizantes-fraca e irregular.Ex:PC

 

Posição de segurança.

 

Posição de recuperação:

 Qual?

Posição lateral de segurança

 Como?

Paciente em decúbito lateral modificado - impede OVACE por língua,muco e sangue

 Quando?

Respiração e circulação adequados após

avaliação ou manobras de RCP

 

Respiração de resgate:

 Tipos de respiração:

[1]Respiração boca-a-boca

[1]Respiração boca-nariz: quando é impossível pela boca(trismo)

[1]Respiração boca-estoma:abertura traqueal permanente

[1]Respiração boca-dispositivo de barreira: lenços faciais e dispositivos boca-máscara-uso nos serviços

 

Respiração boca-a-boca

 

Mais usado no pré-hospitalar sem equipamentos

Usar máscara facial- evitar infecção

Vias aéreas abertas e aperte nariz

Distensão gástrica

Cuidado!- pode complicar com

regurgitação,aspiração ou pnm

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

]

MUDANÇAS:Guideline da AHA 2005:

 

[1]Apenas parada respiratória: Garantir 8-10 inc/min de 1 seg cada.

[1]Quantidade de volume corrente: Suficiente para produzir expansão do tórax-

Classe IIa

Atenção:

[1]Permitir tempo para expiração

[1]Evitar hiperventilação

[1]Lembrar:Ambu tem 1000ml

 

Após 2 respirações de resgate:

 

AVALIAÇÃO

 Sem resposta:reposicione cabeça e tente outra vez

 Ainda não houve resposta:?

 

 MUDANÇAS:Guideline da AHA 2005:

 

[1]Continue a RCP: compressões torácicas são mais eficientes que as abdominais para expulsar o corpo estranho.

[1]No momento em que se fizer a respiração abrir a boca da vítima a procura do corpo estranho.

 

 Pressão cricóide (ou manobra de Sellick):

Empurra traquéia para trás e comprime esôfago

Previne a distensão gástrica Apenas vítima inconsciente e com socorrista

Extra

 

C: Circulation Circulation

C: circulação

 Durante 2 respirações de resgate,verifique sinais de circulação:movimentar-se,falar ou tossir.

 Após 2 respirações de resgate: cheque pulsação arterial pulso carotídeo

Exame em 10 segundos


 Incerteza ou ausência de pulso- inicie as compressões torácicas.

 

MUDANÇAS:Guideline da AHA 2005:

 

 RCP é prioridade!

 RCP melhora a resposta ao choque e a compressão é suficiente para manter o miocárdio vivo

 Minimizar intervalos entre os ciclos de compressões

 Relação 30:2

 Realizar 5 ciclos durante 2 min.

 Socorristas revezar a cada ciclo.

 

Recomendações para compressões torácicas:

Push hard and flash.”

 

 Pressão seriada e rítmica sobre metade inferior do esterno,declina o tórax de 4-5cm

 Avaliação dos pulsos centrais.

 Compressões seguida de 2 respirações lentas

 Após 5 ciclos: AVALIAÇÃO

 Apenas compressões:100 compressões/min

 

Compressão sem ventilação:

 

[1]Útil nos primeiros 5min de RCP

[1]Vias aéreas abertas

[1]Princípio: “Gaspings” do paciente e a própria compressão são eficaz nesse tempo para ajudar o paciente a se manter vivo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Desfibrilação precoce:

 

 O tempo entre a perda de consciência e desfibrilação é o principal determinante da sobrevivência.

 Desfibrilação rápida comunidade- em 5min após chamada

 Desfibrilação rápida hospitalar- máximo em 3 min

 Principal rítimo da parada cardíaca súbita testemunhada não traumática em adulto:FV

 DEA: tratamento para FV e TV.

 Assistolia tratamento: RCP

 Provedores devem estar treinados para uso do DEA.

 

Riscos e complicações do SBV:

 

 Respiração de resgate = Distensão gástrica

 Compressões torácicas = Fratura do esterno,separação de costela, pneumo ou hemotórax, contusões pulmonares,lacerações hepáticas ou esplenicas e êmbolos gordurosos

 Uso do DEA = queimaduras Cuidados avançados precoce:

 Após a realização do SBV que deve ser feito no atendimento pré-hospitalar, a vítima deve ser encaminhada sempre para um hospital onde possam ser prestados os cuidados avançados.

 Continuar avaliando sinais vitais e estado do paciente.

Resumo do SBV do Adulto

 A respiração de resgate e as compressões torácicas são as manobras cruciais do SBV que mantêm a administração de sangue oxigenado a órgãos vitais, até que a desfibrilação e o SAVC permitam o restabelecimento da circulação e da

estabilização da vítima de PCR.